domingo, 27 de janeiro de 2013

Crayolas




Lá no fundo, tenho um sentimento, que me faz achar que na realidade fui apaixonada por Branca, porque nela, eu podia me ver.
todo o drama, toda a vida, todo destino.
É isso, me via nela, e era um duplo espelho que me fazia esgueirar sorrateramente de um e eternizar o sentimento por ela.
Hoje em dia eu nem me dou conta do passado, a não ser por essa estrela que ainda brilha no meu presente, e fatalmente brilhará no meu futuro.
É a pura e única paixão que sei que me acompanhará, Branca será sempre um subterfúgio no momento de dor. Porque é um parâmetro, ela é um misto de dor, agonia e paixão.

E tem tanto tempo que não faço postagens, é que finalmente descobri o que era a obsessão desvairada...
Era nada mais do que amor por mim, completamente refletido nela.

2 comentários:

Natallia Alves disse...

Fumou quantos???...não entendi! (ou sou excessivamente burra, ou de fato isso é um texto sobre você, em terceira pessoa...)

De toda sorte, bela escrita.

Abraços, saudades (de ti e de meu casaco...)

A Franca! disse...

sobre mim, e sobre aquela que me fez perceber isso.